assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Fisioterapia para idosos

Publicado em 06 de Mar de 2013 por Leticia Maciel | Comente!

O uso da técnica como parte dos cuidados para os idosos ajuda a manter o bem-estar, a independência e autonomia.



Texto: Fernanda Almeida/ Fotos: Shutterstock/ Adaptação: Letícia Maciel

A fisioterapia pode ser uma estratégia preventiva sempre. Não é preciso envelhecer para
começar a se cuidar. Foto: Shutterstock.

Envelhecer é inevitável. Mas é possível fazer com que a passagem do tempo não comprometa a saúde e o bem-estar.A fisioterapia, técnica que utiliza a aplicação de agentes físicos e mecânicos (como massagens, exercícios, águas, luz, calor, eletricidade), no tratamento das doenças, tem um papel muito importante nos cuidados com a saúde desse grupo. “O fisioterapeuta é um profissional responsável pelo diagnóstico, prevenção, recuperação e tratamento das disfunções do organismo humano, causadas por má formação genética, acidentes ou posturas incorretas no dia a dia”, define Alex Yukio Nagamori, fisioterapeuta especialista em acupuntura (SP).

Risco sob controle

De acordo com a especialista em fisioterapia neurofuncional e coordenadora do Curso de Especialização em Cuidados Integrativos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), “nos últimos 20 anos, muitos estudos têm comprovado que a prática de exercícios físicos para idosos, devidamente planejados e dirigidos por profissionais habilitados, diminui fatores de risco de todas as causas de morte e morbidade, em especial, para certas doenças. Posso citar o infarto e o acidente vascular cerebral (AVC), que são influenciados positivamente. Os exercícios evitam ou diminuem o envelhecimento precoce”. Como a fisioterapia atua na prevenção e na reabilitação, não é preciso ser idoso para tirar proveito das orientações práticas e preventivas que podem aprimorar as atividades quotidianas. Para quem já passou dos 60 anos, o trabalho de um fisioterapeuta ajudará na adequação do mobiliário, a lidar com as dificuldades motoras, respiratórias e até quedas recorrentes. O resultado dessa atuação é a melhora significativa da qualidade de vida.


Antes, durante e depois
 

Camila Montandon, fisioterapeuta especializada em microfisioterapia e Reeducação Postural Global (RPG) (SP), afirma ser importante que o idoso saiba das suas condições para que possa tomar providências para minimizar os efeitos da idade. Então, segundo Camila, “faz parte do nosso trabalho alertar os pacientes sobre como prevenir quedas, sobre quais são as atividades físicas e funcionais mais indicadas, bem como quais exercícios respiratórios e técnicas de relaxamento podem trazer-lhe alívio para seus determinados desconfortos”. O melhor cuidado é a prevenção, completa o fisioterapeuta Nagamori: “A fisioterapia é uma estratégia preventiva sempre. Não precisamos envelhecer para nos cuidar”. A especialista Camila concorda: “Partindo do pressuposto de que a pessoa esteja desprovida de doenças, a fisioterapia se intersecciona com os programas de atividade física direcionada que podem ser realizadas em grupo”. “Mas se o indivíduo já apresenta algum sinal ou sintoma, a meta será prevenir as possíveis consequências da patologia”, acrescenta.

 

Éimportante que o idoso saiba das suas condições para que
possa tomar providências para minimizar os efeitos da idade.
Foto: Shutterstock.

Trabalho conjunto

Qualquer doença que tenha como causa ou consequência alterações no movimento humano, sejam elas de origem cardiopulmonar, neurológica, musculoesquelética ou outras, podem beneficiar-se da fisioterapia. É importante que o paciente deixe claro suas necessidades e o motivo da procura pela fisioterapia. Depois disso, o médico deve traçar os objetivos do tratamento e selecionar as técnicas que atendam àqueles. Se for necessário, o fisioterapeuta deve trabalhar multiprofissionalmente ou até encaminhar a outro fisioterapeuta que conheça outras técnicas que eventualmente sejam mais adequadas. Nesta fase da vida, as mais utilizadas são: a cinesioterapia (exercícios terapêuticos que trabalham a amplitude de movimento, a força muscular, a coordenação, o equilíbrio, a flexibilidade, a consciência corporal e a resistência aeróbia); a fisioterapia respiratória, que torna mais eficiente a entrada e saída de ar dos pulmões e melhora a troca gasosa; a hidroterapia (fisioterapia realizada dentro da água) e as técnicas da Medicina Tradicional Chinesa (acupuntura, fitoterapia, a tuiná e QiGong: exercícios físicos e respiratórios). “Acredito que a grande novidade seja um atendimento transdisciplinar. Não é uma técnica, mas uma forma de atender o paciente em sua multidimensão. O cuidado não se restringe ao corpo.Ele engloba o nível mental, emocional e até espiritual”, conclui Camila.

Onde procurar a fisioterapia

SERVIÇO ÚNICO DE SAÚDE (SUS)
São os que devem oferecer atendimentos de fisioterapia gratuitos à população de idosos. Entre em contato para saber qual a unidade mais próxima de sua casa que oferece o serviço.  
Disque Saúde: 136

Sites de prefeituras
No site da prefeitura da cidade há informações sobre os programas gratuitos de atividade física e outras ações.

Dica: Se o idoso tiver dificuldade em mexer nas ferramentas da internet, peça para alguém que tenha facilidade buscar estes programas oferecidos gratuitamente.
CONTaTO: procure o site e telefones referentes à prefeitura de sua cidade.

Hospitais  Universitários
A maioria das universidades públicas — e algumas particulares — oferece todo tipo de serviço de saúde gratuitamente à população. A UATI — Universidade Aberta à Terceira Idade, por exemplo, é um programa oferecido por diversas faculdades públicas do Brasil, cujo objetivo é oferecer um local onde os idosos vão a aulas de todos os gêneros, sem custos, e podem ser atendidos. Procure a universidade mais próxima de onde você mora, entre em contato e confira que serviços eles oferecem.
Contato: www.unifesp.br
Pode ser pelo telefone: (11) 5082-3588.



COMENTE!