saude   / Vale a pena?

Jejum intermitente: quais os benefícios dessa dieta segundo a ciência?

Com orientação profissional a maioria das pessoas pode tirar proveito dessa prática

VIVA SAÚDE Publicado sexta 16 outubro, 2020

Com orientação profissional a maioria das pessoas pode tirar proveito dessa prática
Jejum intermitente: quais os benefícios da dieta segundo a ciência? - Freepik

Na maioria das vezes, as comilanças nos finais de semana costumam vir acompanhadas de uma promessa: retomar o peso que você estava no meio da semana, certo? Uma das estratégias favoritas para isso é o jejum intermitente, em que a pessoa alterna momentos de jejum entre as refeições ao longo de um dia inteiro.

Esse tipo de dieta é motivo de polêmica até entre os especialistas: há estudos que indicam malefícios, como maior risco de diabetes tipo 2, e outros que apontam vantagens de passar algumas horas sem comer por dia. Nessa última categoria está um artigo científico publicado no “The New England Journal of Medicine”.


No estudo, o neurocientista Mark Mattson revisou os principais achados da ciência sobre as vantagens de aderir ao jejum intermitente. Ele estuda esse tipo de dieta há 25 anos, e há 20 segue o modelo alimentar.

 

+++ VEJA TAMBÉM: Você sabia? Além de refrescante, água gelada acelera o metabolismo e ajuda a emagrecer

+++ VEJA TAMBÉM: Aprenda a congelar os alimentos da maneira correta para evitar desperdícios e facilitar sua vida

 

Para o especialista, o jejum intermitente se divide em duas categorias principais: uma em que o período liberado para comer se limita de 6 a 8 horas por dia e, a outra é o chamado 5:2, em que a pessoa come normalmente durante 5 dias e, em 2 dias, ingere apenas uma refeição moderada ao longo do dia, jejuando nas horas restantes.

Além disso, uma das principais vantagens identificadas em estudos com animais e humanos, segundo Mattson, é a melhora no funcionamento das células. Isso acontece a partir de um mecanismo em que as células, após gastarem o “combustível” na forma de açúcar (devido ao jejum), começam a converter gordura em energia.

De acordo com o neurocientista esse processo não contribui apenas para o emagrecimento, mas também para a regulação do açúcar no sangue, para a melhora da resistência ao estresse, diminuição da inflamação no organismo, da pressão arterial e dos níveis de gordura no sangue, além de ajudar a desacelerar a frequência cardíaca em períodos de descanso.

Importante ressaltar que o próprio autor do artigo pondera que os benefícios do jejum intermitente não se aplicam a todo mundo. Ele acredita, porém, que com orientação profissional a maioria das pessoas pode tirar proveito dessa prática.


 

Último acesso: 24 Oct 2020 - 03:44:01 (574).