saude   / Setembro Amarelo

Suicídio e redes sociais: empreendedor e especialista Aldrin Nery fala sobre responsabilidade dos usuários na prevenção deste mal

Analista afirma que apesar dos inúmeros benefícios que a internet oferece, há sempre a necessidade de avaliar a forma como a consumimos e como interagimos com as outras pessoas através dela

Viva Saúde Publicado sexta 10 setembro, 2021

Analista afirma que apesar dos inúmeros benefícios que a internet oferece, há sempre a necessidade de avaliar a forma como a consumimos e como interagimos com as outras pessoas através dela
Efeitos das redes sociais na saúde mental - Pexels/Greta Hoffman

10 de setembro é marcado como o dia da prevenção do suicídio. Como parte dos eventos do Setembro Amarelo, a data visa conscientizar sobre a importância de se falar sobre esse mal, de se discutir suas causas e, principalmente, de ajudar quem está passando por problemas e pensa em tirar a própria vida. 

Atualmente, com o avanço da tecnologia e o uso frequente da internet como parte da nossa rotina, surge também a preocupação de como as redes sociais e demais plataformas virtuais contribuem ou não para a prevenção do suicídio.

“As pessoas estão se expondo mais na internet e, ao mesmo tempo, em busca de mais exposição de famosos e celebridades. Queremos saber tudo que se passa com as pessoas, em seus relacionamentos, trabalho, vida pessoal. Se algo vai mal, queremos saber o motivo, se estão felizes, vamos em busca da razão. Essa exposição pode trazer consequências sérias, inclusive nos aspectos psicológicos”, alerta o empreendedor e CEO da agência de marketing A5Mídias, Aldrin Nery.

+++ Crises de depressão: saiba como agir para ajudar

+++ Setembro amarelo e acne: quando a doença é grave exige suporte mental; entenda

“Ao olharmos para as nossas vidas e a forma como lidamos com as redes sociais, devemos nos questionar: ‘O que posto? O que revelo para as outras pessoas faz com que eu me sinta bem?’”, completa.

Para o especialista, apesar dos inúmeros benefícios que a internet oferece, há sempre a necessidade de avaliar a forma como a consumimos e como interagimos com as outras pessoas através dela. “O mundo online é fantástico e cheio de possibilidades, mas a boa conduta que devemos ter nele é primordial para nossa saúde física, mental e social”, pontua.

“Quando falamos em suicídio, devemos ter consciência do papel que temos como agentes na propagação e na prevenção dele, cuidando do que postamos sobre nós e sobre os outros”, completa.

Último acesso: 17 Sep 2021 - 04:13:18 (3262).