assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

7 respostas que você precisa saber sobre a vacina da Febre Amarela

Publicado em 03 de Feb de 2017 por Kelly Miyazato | Comente!

Embora os riscos estejam concentrados em algumas regiões do Brasil, o cenário está cada vez mais preocupante, por isso, consultamos uma especialista para você ficar por dentro de tudo sobre a vacina da Febre Amarela



 

Veja 7 respostas que você precisa saber sobre a Febre Amarela

Após os alertas contra a dengue, o vírus da zika e chikungunya, o Ministério da Saúde divulgou que os estados notificaram nesta quinta-feira (2), 149 casos confirmados de Febre Amarela, que somam 52 óbitos e 80 casos que ainda estão sendo investigados. Diante deste cenário, muitas dúvidas estão surgindo e para nos ajudar a esclarecer, consultamos Thais Guimarães, infectologista e presidente da Sociedade Paulista de Infectologia. Listamos 7 respostas que você precisa saber sobre a vacina da Febre Amarela. Confira!

VivaSaúde → A vacina contra febre amarela é segura?
Thais Guimarães → A vacina da Febre Amarela é altamente segura e apresenta eficácia de 95%, sendo a melhor forma de prevenção contra a doença.  Entretanto, existem contraindicações da vacina que devem ser verificadas antes de recorrer a essa alternativa.

VS → A vacina pode provocar algum tipo de reação? Qual?
TG → Sim, como qualquer outro medicamento. Porém, são raros os casos graves. Febre, dores no corpo, dores de cabeça, mal-estar e fraqueza podem atingir entre 2% e 5% dos pacientes vacinados.

- Reação alérgica grave a um componente da vacina (cerca de 1 pessoa em 55.000).

- Reação grave do sistema nervoso (cerca de 1 pessoa em 125.000).

- Doença grave com falência orgânica (cerca de 1 pessoa em 250.000). 

VS → Para quem a vacina é indicada?
TG → A vacina é indicada para pessoas de 06 meses a 60 anos que vão viajar para áreas de risco ou moram nesses locais. E vale lembrar que a vacina deve ser tomada pelo menos 10 dias antes da viagem. Em alguns locais de risco, como o Estado de Minas Gerais e cidades do interior de São Paulo, como Ribeirão Preto e São José do Rio Preto, no Norte paulista, é imprescindível tomar a vacina.

VS→ Quanto tempo depois de tomar a vacina é possível se considerar imunizado?
TG → Após 10 dias da aplicação da vacina, a pessoa já pode se considerar imunizada por 10 anos.


VS → 
Quantas doses são necessárias?

TG → Existem duas situações diferentes:
- Nacional: a Organização Mundial da Saúde recomenda que sejam tomadas duas doses da vacina. Ou seja, é importante fazer um reforço após 10 anos da primeira dose. No entanto, é importante ressaltar que a pessoa só deve tomar a vacina caso resida ou vá viajar para áreas de risco!

- Internacional: a Organização Mundial da Saúde considera que apenas uma dose da vacina (com o certificado internacional) é necessária para imunização.


VS
→ Existe alguma contraindicação para tomar a vacina?

TG → As contraindicações são:

- Idade abaixo de seis meses;
- Alergia ou hipersensibilidade a algum dos componentes da vacina;
- Portadores de imunodeficiências;
- Existem situações de precaução em que a vacinação não é totalmente contraindicada, mas a indicação da vacinação deve ser ponderada entre risco e benefício, ou seja, a análise do médico é imprescindível:
- Portadores de HIV;
- Mulheres amamentando crianças menores de seis meses.
- Idade maior que 60 anos;
- Gestantes.

VS → Qual medida deve ser adotada por quem não pode tomar a vacina?
TG → Para esses indivíduos, o ideal é procurar orientação médica. Em caso de não haver a possibilidade de evitar a permanência em áreas de risco, a pessoa deve reforçar o uso de repelentes.

 

*Por Kelly Miyazzato | Foto Shutterstock | Thais Guimarães, infectologista e presidente da Sociedade Paulista de Infectologia.