assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Como combater as terríveis espinhas

Publicado em 10 de May de 2013 por Leticia Maciel | Comente!

A acne não tem cura e pode aparecer em qualquer fase da vida. Veja como prevenir e combater melhorando a alimentação e os cuidados com a pele



Texto: Cristina Almeida/ Foto: Caio Mello (Revista Looks)/ Adaptação: Letícia Maciel

As espinhas são causadas pela alimentação rica em açúcar, oleosidade excessiva da pele e
estresse, aparecendo em qualquer fase da vida.
Foto: Caio Mello

Todo mundo sabe que a acne é uma doença dermatológica cujas causas são oleosidade excessiva, poros obstruídos, bactérias e inflamação. Na adolescência, essas características são potencializadas, mas a acne não é prerrogativa dos jovens. Segundo o American College of Dermatology, essa patologia pode se manifestar a qualquer tempo e, na idade adulta, ainda não se sabe quais são os fatores para o aumento desse fenômeno, mas há evidências de que estresse e hábitos alimentares estejam envolvidos. Segundo a dermatologista Ivonise Follador, do Hospital das Clínicas da Universidade Federal da Bahia (UFBA), nos casos dessa doença, não existe milagres: “As pessoas precisam saber que a acne exige avaliação médica criteriosa e tratamento”.  A especialista observa que soluções caseiras e o uso de determinados cosméticos podem até levar à piora do estado geral da pele.

Quando o problema aparece

A acne vulgar é uma doença crônica genético-hormonal que costuma atingir cerca de 90% dos indivíduos entre 12 e 24 anos de idade. Isso significa que ela pode se manifestar por quase uma década da vida de cada pessoa. A maioria dos jovens tem alguma forma da doença, que varia de um quadro leve (cravinhos ou comedões) até a acne grave. A solução pode ser espontânea ou exigirá tratamento, não sem deixar sequelas físicas e emocionais. Quando jovens, homens e mulheres sofrem da mesma forma. O grupo masculino apresenta formas mais graves. Na idade adulta, em razão de problemas hormonais, as mulheres serão as mais atingidas. Um exemplo clássico são os ovários policísticos. Há ainda casos de hipersensibilidade aos próprios hormônios, mesmo que os marcadores apresentem níveis normais.

Influência da alimentação

Os estudos mostram uma relação de agravamento da acne com o consumo de leite e derivados, além de alimentos ricos em açúcar. O chocolate geralmente contém esses ingredientes e, portanto, é um estimulante. O abuso de laticínios (queijo e manteiga) e cereais ricos em açúcar também. Quem tem acne poderá ter uma resposta positiva com a abstenção desses alimentos.

Pode cutucar?

Mexer ou cutucar espinhar tende fica mais difícil de tratar . A dermatologista aconselha: “O uso de secativo é admissível, mas ele deve ser indicado por um médico. Para quem tem acne, a automedicação ou o uso de cosméticos não é uma boa opção. A acne é uma doença, e deve ser tratada por um dermatologista, mesmo nos casos leves”.

Tratamento para todas as idades

Um tratamento que mostra eficácia é o tópico, que  começa com sabonetes antiacne, passa pelo protetor solar livre de óleo durante o dia (para evitar as manchas), e é indicado o uso de anti-inflamatórios à noite: peróxido de benzoíla, associado ou logo após o uso dos derivados do ácido retinoico, que atuarão em todas as lesões da acne. O tratamento oral é feito com antibióticos e derivados de tetraciclinas. Embora o tratamento medicamentoso deva ser considerado o mais importante, em alguns casos não há resposta. Daí, a indicação é isotretinoína oral. A isotretinoína oral é um medicamento antigo, excelente, que resolve a maioria dos casos. Mas seu uso deve ser criterioso e ter supervisão médica mensal. Sabemos que toda medicação possui efeitos colaterais, na maioria das vezes contornáveis (lábios secos, pele seca, aumento do colesterol ou triglicerídeos). Pequena parcela dos pacientes pode apresentar efeitos menos frequentes (alteração das enzimas hepáticas, cefaleia, dor muscular, olho seco, unha encravada), e uma parte menor ainda tem efeitos raros como reações alérgicas, piora da acne, e relatos de depressão. Esses efeitos mais graves são muito raros. E o medicamento é a melhor opção para os casos graves e resistentes. Entretanto, a dermatologista enfatiza que não se pode banalizar: a dose deve ser adequada;  tempo, correto; os exames, mensais.

Veja como manter a pele lisinha:

  • A limpeza deve ser feita duas vezes ao dia. Exagerar no ritual pode ter efeito rebote: aumenta a oleosidade, a irritação e ainda pode levar a novas lesões.
  • Use produtos indicados pelo seu dermatologista.
  • Utilize um sabonete adequado para o seu tipo de pele. Lave suavemente, sem esfregar muito. Isso ajuda a remover o excesso de oleosidade.
  • Aplique o tônico próprio para seu tipo de pele como complemento da higienização. Pode ser em spray ou com uso de um algodão.
  • Aplique o filtro solar livre de óleo de dia para evitar manchas na pele.
  • À noite, use o produto sugerido pelo seu dermatologista. Em geral é um anti-inflamatório, e deve ser aplicado em todo o rosto.
  • Nunca durma com maquiagem. Retire-a completamente com produto apropriado e depois lave o rosto todo com o seu sabonete.

Revista VivaSaúde Edição 98



COMENTE!