assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Como funciona a correção do desvio de septo nasal

Publicado em 14 de May de 2013 por Ana Paula Ferreira | Comente!

Problemas respiratórios, rinossinusites repetitivas e roncos associados ou não à apneia diminuem a qualidade de vida, mas podem ser facilmente resolvidos. Veja como funciona a correção do desvio de septo nasal



Texto: Jéssie Panegassi / Ilustração: Luiz Lentini / Adaptação: Ana Paula Ferreira

A anestesia para o processo de correção do desvio de septo nasal pode ser geral endovenosa ou

local com sedação, e é indicada de acordo com a avaliação do cirurgião responsável e da equipe

de anestesiologistas. Ilustração: Luiz Lentini

A correção do desvio de septo nasal é uma alteração bastante comum na estrutura anatômica do nariz. Ela acontece quando o osso ou a cartilagem que dividem as duas cavidades estão desviados para algum dos lados. Ela pode ser uma curvatura côncava, convexa ou mista. É mais evidente e mais comumente encontrada na idade adulta ou na adolescência. Obstrução nasal, rinossinusites de repetição e ronco estão entre os sintomas mais frequentes.

Veja abaixo como funciona a correção do desvio de septo nasal:

Como é o preparo

A partir do momento em que a intensidade dos sintomas clínicos autorize a recomendação cirúrgica pelo médico otorrinolaringologista, esse processo pode ser associado ou não a exames laboratoriais e clínicos. Dentre esses testes estão a nasofibroscopia e a tomografia computadorizada dos seios paranasais. Além disso, existem os exames sanguíneos pré-operatórios e a avaliação cardiológica.

Os tipos de anestesia

A anestesia pode ser geral endovenosa ou local com sedação, e é indicada de acordo com a avaliação do cirurgião responsável e da equipe de anestesiologistas. No Estado de São Paulo, em geral, é mais utilizada a anestesia geral, enquanto no Paraná é muito comum a versão local associada à sedação (perda da consciência).

Passo a passo do procedimento

A boa notícia com relação a essa cirurgia é que ela não deixa cicatriz, uma vez que é realizada pelas narinas (dentro do nariz). Os passos a seguir explicam o procedimento:

1) Nariz com desvio de septo antes da operação. O formato anatômico com problemas dificulta a entrada e saída de ar.

2) O médico descola, com o uso de instrumentos, a pele que faz o revestimento do septo nasal de ambos os lados. Ou seja, a parte que divide as narinas.

3) Em seguida, é retirado o excesso de cartilagem ou a parte óssea do septo, reposicionando a pele logo após o processo.

4) Depois disso, faz-se a sutura (junção) da área operada e realiza-se a colocação ou não de placas de silicone no local (“splint nasal”).

5) Depois do processo a pessoa já consegue respirar melhor e aumenta-se a sua qualidade de vida. O período após a cirurgia não é marcado por grandes sangramentos e a recuperação acontece de forma rápida.

Cuidados no pós-operatório

Normalmente não há grandes problemas ou preocupações durante o pós-operatório, e é até desnecessária a colocação de tampões nasais. Os pacientes evoluem com um pequeno sangramento nos primeiros dias e devem fazer uma limpeza diária com soluções fisiológicas próprias.

Tempo para voltar às atividades

Apesar de ser um pós-operatório tranquilo, é importante ressaltar que só se deve voltar às atividades normais depois da liberação do médico. Normalmente, elas acontecem nos seguintes prazos:

Escola, trabalho ou atividades sem esforço físico: 4 dias.

Academia (atividade física sem impacto), natação ou trabalho com esforço físico: 7 a 10 dias.

Esportes com impacto, artes marciais, entre outras práticas: no mínimo 20 dias.

 

Revista VivaSaúde edição 113



COMENTE!