assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Conheça a Ceratocone

Publicado em 17 de Feb de 2014 por Ana Paula Ferreira | Comente!

A doença, que reduzindo a visão aos poucos, normalmente demora a ser diagnosticada. Saiba tudo sobre a ceratocone



Texto: Jéssie Panegassi / Foto:Shutterstock / Adaptação: Ana Paula Ferreira

Os sinais da Ceratocone vão surgindo ou se intensificando progressivamente, ou seja, não

aparecem de forma repentina. Foto: Shutterstock

Reduzindo a visão aos poucos, a Ceratocone normalmente demora a ser diagnosticada
alterando a qualidade de vida do paciente e diminuindo as opções de tratamento. Saiba tudo sobre a doença:

O que é?
É uma doença que afeta a estrutura da córnea. A alteração progressiva de sua forma gera irregularidades que não permitem uma visão satisfatória, mesmo com o uso de óculos ou lentes de contato, dependendo da evolução do problema. As pessoas mais suscetíveis à  doença são as que apresentam algum caso na família, além de crianças e adolescentes com quadros alérgicos oculares crônicos, que podem evoluir para o ceratocone devido ao trauma constante causado pela coceira vigorosa dos olhos. 

Sintomas
Os sinais vão surgindo ou se intensificando progressivamente, ou seja, não aparecem de forma repentina. Os principais são: visão sombreada, e às vezes duplicada, tanto para observar objetos de perto quanto de longe. Podem culminar, de acordo com o grau de evolução, em uma grande diminuição da acuidade visual com ou sem o uso de óculos e lentes de contato gelatinosas. 

Diagnóstico
Depois de notados os sintomas, o paciente deve procurar um oftalmologista para a realização dos testes. Além do exame oftalmológico completo, o profissional pode solicitar o complementar, conhecido como topografia corneana ou ceratoscopia computadorizada.

Prevenção
Na forma hereditária da doença, não é possível prevenir. Contudo, como se sabe que fatores como a coceira podem aumentar a velocidade com que os sinais se intensificam, nos casos em que há alergia ocular, é possível retardar a evolução realizando o controle do problema para evitar que ele se torne crônico.

Tratamento
Existem várias formas de tratar a doença que dependem do estágio em que opaciente se encontra. Inicialmente, se ele apresentar boa visão com óculos, esse será o tratamento. Se não for satisfatório pode se tentar o uso de lentes de contato rígidas. Nos casos mais avançados, ainda há a possibilidade de utilizar implantes de anéis intraestronomais feitos cirurgicamente. Se essa opção não apresentar o resultado desejado, é recomendado então o transplante de córnea. É importante ressaltar que a cirurgia só é indicada nos casos em que os tratamentos mais simples não permitam que o paciente enxergue satisfatoriamente. Ainda não é possível falar de cura para o problema, mas sim de estabilidade. Contudo, a evolução é sempre algo possível de acontecer.

Nova alternativa

“Recentemente, nos casos iniciais, temos utilizado uma técnica chamada cross-link, que é o enrijecimento da córnea com uma substância (riboflavona) estimulada com luz ultravioleta, estabilizando a evolução do ceratocone. Mas o método ainda carece de resultados a longo prazo”, afirma o oftalmologista André Pamplona.

 



COMENTE!