assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Conheça tudo sobre arritmia cardíaca

Publicado em 22 de Mar de 2015 por Clara Ribeiro | Comente!

Arritmia é um descompasso no ritmo do órgão. Entre os fatores que desencadeiam esse sintoma destacam-se o uso de medicamentos e exercícios não monitorados



Texto: Stella Galvão / Colaborou: Priscila Pegatin / Infográfico: Helton Gomes

Conheça tudo sobre arritmia cardíaca 

Infográfico: Helton Gomes

O que é?

Uma alteração do ritmo cardíaco. O músculo do coração é capaz de gerar um estímulo elétrico espontâno, chamado de nó sinusal. Tal impulso sai dele e caminha por nervos e células, promovendo a contração sincronizada dos átrios e ventrículos. Desacertos na origem do estímulo ou em sua condução causam as arritmias, que podem ocorrer em qualquer idade e sexo.

Sintomas

As arritmias podem ser rápidas (taquicardias) ou lentas (bradicardias). Se a frequência for baixa, o volume de sangue para o corpo também se reduz, causando tontura e desmaio. Quando o distúrbio do ritmo é acentuado, há fibrilação ventricular ou atrial, um descompasso extremo que pode levar à morte. Daí a importância de exames prévios aos exercícios.

Diagnóstico

A bradicardia pode ser consequência do uso de medicamentos, como antiarrítmicos e betabloqueadores. Mas, se o problema for de formação ou na condução do impulso elétrico, é indicado colocar um marca-passo para restabelecer o ritmo. Na taquicardia é comum sentir palpitações, dor no peito e desmaios.

Prevenção

Arritmias podem ser benignas, mas também sinalizar uma situação grave em termos cardíacos. É fundamental que, ao perceber seu coração batendo de forma diferente, procure avaliação médica. Na consulta é feito um exame clínico e o pedido de um eletrocardiograma. Caso o exame indique alteração, faça acompanhamento com um cardiologista.

Tratamento

Para um resultado definitivo a orientação é a ablação por cateter. Identificado o local em que ocorre o impulso elétrico anormal, faz-se a cauterização. Há 20 anos a cirurgia era aberta. Hoje, ela é feita por meio de cateteres colocados nas veias da virilha e dirigidos até o interior do coração.

CONSULTORIA: MAURÍCIO SCANAVACCA, CARDIOLOGISTA E DIRETOR DA UNIDADE DE ARRITMIA E MARCA-PASSO DO INSTITUTO DO CORAÇÃO (INCOR).

Revista VivaSaúde - Edição 143



COMENTE!