assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Descubra como evitar problemas auditivos em qualquer fase da vida

Publicado em 03 de Sep de 2013 por Leticia Maciel | Comente!

A música e os mais diversos ruídos fazem parte da vida, mas, quando passam do volume permitido, afetam sua saúde. Saiba como se proteger e alertar do perigo crianças e adolescentes que adoram curtir um som nas alturas



Texto: Janete Tir/ Foto: Shutterstock/ Adaptação: Letícia Maciel

A forma mais saudável de ouvir música com os fones de ouvido é não passar de 50% da
capacidade dos aparelhos
Foto: Shutterstock

Em qualquer lugar do mundo, o resultado da equação é sempre o mesmo: jovem + música = som ao máximo. Isso não é nenhuma novidade, pois há décadas o principal desentendimento dentro de uma casa com adolescentes é o alto volume que sai das caixas de som. Até que, para descanso dos pais, surgiu o fone de ouvido. Assim, a tecnologia trouxe os tão desejados decibéis a mais, só que, de carona com quem abusa do volume por um longo período, veio a perda de audição. Uma pesquisa feita pela Universidade do Colorado e pelo Children’s Hospital, nos EUA, mostrou que o limite seguro para quem quer ouvir música o dia inteiro é não passar de 50% da capacidade dos aparelhos. Para aqueles que gostam de som alto e não querem ter problemas, é possível subir a 70% do volume máximo por apenas quatro horas e meia ao dia. Um aumento para 80% do total reduz o prazer em ouvir músicas há somente 90 minutos diários para não causar danos à saúde.

Fones: usar ou não?

Outro estudo norte-americano, desta vez feito pela Universidade  Northwestern, aponta para outro vilão: os fones de ouvido. Os pesquisadores chegaram à conclusão de que os mais nocivos são aqueles que se encaixam dentro do ouvido (apenas como curiosidade, na nova terminologia anatômica, “ouvido” foi substituído por “orelha”). Tudo porque a posição interna aumenta a intensidade final do som em até 9 decibéis, além de causar infecções com o uso de fones compartilhados ou sujos. Segundo os especialistas, a melhor maneira de controlar o volume ideal é poder ouvir alguém conversando mesmo com o aparelho ligado. O otorrinolaringologista Luciano Rodrigues Neves, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), explica que “o ouvido não escuta nada, quem escuta é o cérebro. O ouvido recebe e transforma as ondas mecânicas do som em impulsos elétricos, que são enviados ao cérebro. Se o som estiver muito alto, o cérebro dá uma modulada e a pessoa se acostuma e se adapta a isso. Agora o impacto da onda sonora no ouvido interno pode variar de intensidade e, dependendo do tempo de exposição, causar  problemas a longo prazo”

Quem são os vilões

Mais de 5 milhões de adolescentes norte-americanos já apresentam algum grau de perda auditiva, sendo que 250 mil têm danos definitivos, segundo informações do Journal of Pediatrics. A principal causa é o uso inadequado de MP3 e a freqüência assídua a shows de rock. Na França, por exemplo, os MP3 podem atingir o máximo de 100 decibéis e o governo ainda recomenda o tempo de exposição às ondas sonoras. Tudo isso porque o abuso já deixou um em cada quatro jovens franceses com o distúrbio. No Brasil, não existe uma pesquisa específica sobre esses tocadores de música, mas há determinações do Ministério da Saúde sobre o ruído no trabalho, que, se adaptarmos ao nosso dia-a-dia, podem acrescentar uns bons anos de audição perfeita. O censo de 2000 feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) contabilizou quase 6 milhões de pessoas que se declararam deficientes auditivos. Se levarmos em conta a informação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que a exposição ao ruído é a segunda causa de surdez no mundo, pode-se ter uma noção do número de pessoas afetadas pela poluição sonora. Para quem ainda não acredita nos efeitos nocivos de ondas sonoras intensas e frequentes, é só procurar exemplos na própria música. Alguns famosos são Eric Clapton, Phil Collins e o brasileiro Rogério Flausino, vocalista do Jota Quest. No DVD Até onde vai da banda mineira, foi inserido um documentário sobre a descoberta do problema. Flausino, depois dos shows, sentia muita dor de cabeça e ficava completamente surdo. Ao procurar ajuda médica, foi constatado que perdeu, em dez anos de trabalho, 30% da audição no ouvido direito pelo uso constante de earphone, aqueles aparelhinhos, também chamados de retorno, que os músicos usam para controlar o som que o público está ouvindo.

Por que cuidar agora

“O ouvido é semelhante a uma caderneta de poupança: quanto mais você poupar enquanto é jovem, melhores serão as chances de prolongar uma boa audição”, diz o especialista da Unifesp. A perda da audição é longa e silenciosa, e só vamos descobrir o problema no futuro. Depois de 20 ou 30 anos, são colhidos os resultados de todas as extravagâncias que cometemos durante anos. O otorrino também esclarece que a presbiacusia (diminuição da audição por envelhecimento) “começa a partir dos 50 ou 60 anos de vida. O que os médicos estão percebendo é que, em função da poluição sonora, as pessoas estão tendo perdas auditivas significativas numa idade bem precoce, com 30 ou 35 anos”. Por isso é tão importante prevenir o problema o quanto antes. E essa é mais uma tarefa difícil para pais zelosos com a saúde de seus filhos. Uma conversa franca, mostrando tudo o que pode acontecer no futuro, é um bom começo. Se eles não atenderem ao chamado da razão, então vale optar por medidas mais drásticas, como comprar aparelhos com softwares que permitem, por meio de um código ou senha, a regulagem da intensidade do som dentro do limite saudável.



COMENTE!