assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Doenças que afetam a qualidade de vida no trabalho

Publicado em 29 de Apr de 2015 por Clara Ribeiro | Comente!

A cada ano, cresce o número de profissionais afastados por doenças ocupacionais. Conheça as principais delas



Texto: Sucena Shkrada Resk / Foto: Shutterstock / Adaptação: Clara Ribeiro

Os problemas afetam a saúde tanto do empregado quanto dos familiares

Foto: Shutterstock

O modo de organização do mundo moderno tem um efeito perverso em milhares de trabalhadores, que são vítimas das chamadas doenças ocupacionais, que em muitos casos podem ser incapacitantes. Segundo o vice presidente da associação nacional de medicina do Trabalho (anamT), Mário Bonciani, 10% das chamadas “doenças comuns” migraram para esse novo status, desde abril de 2007, quando houve a alteração da legislação previdenciária.

Com isso, as lesões por esforços repetitivos ou distúrbios osteomusculares (Ler/dort) relacionados ao trabalho passaram a somar-se a quadros de depressões e, inclusive, a diabetes e hipertensão, entre as doenças que mais acometem os empregados. Esse é um sinal de alerta para se apostar na prevenção, antes que a qualidade de vida no trabalho fique com os dias contados.

Veja mais sobre qualidade de vida no trabalho:

Doenças campeãs de afastamento do trabalho:

LER/DORT

O que é: é um conjunto de doenças que atingem músculos, tendões e membros superiores (antebraço, braços, dedos, mãos, pescoço, punhos), e estão relacionadas diretamente às condições de trabalho. São inflamações ocasionadas por movimentos repetitivos, freqüentes, rápidos e/ou vigorosos, durante um longo período de tempo.
Profissões com maior incidência: bancários, comerciantes, montadores de veículos, trabalhadores da indústria alimentícia, operadores de teleatendimento e vigilantes.

TRANSTORNOS MENTAIS E DE COMPORTAMENTO

O que é: entre as mais comuns estão demência, delírio, transtorno de personalidade, transtorno mental orgânico, episódios depressivos, reações ao estresse grave, transtornos de daptação e síndrome de fadiga.
Profissões com maior incidência: motoristas, atendentes hospitalares, trabalhadores da indústria têxtil, bancários, abatedores de suínos, aves e outros pequenos animais.

Revista VivaSaúde - Edição 62