Problemas de visão: conheça os mais comuns - CLÍNICA GERAL - Viva Saúde
assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Problemas de visão: conheça os mais comuns

Publicado em 20 de Feb de 2018 por Isis Fonseca | Comente!

Vejas as características dos distúrbios oftalmológicos que atingem mais de 35 milhões de pessoas no Brasil


Problemas de visão

Conheça os problemas de visão mais comuns!

Em pessoas com a visão considerada normal, a imagem do objeto focalizado é nítida, pois os raios de luz atingem a retina, coincidindo sobre um mesmo ponto. Mas, algumas vezes, ocorrem os erros de refração, ou seja, os feixes de luz são desviados por algum distúrbio e causam problemas de visão.

Podem acontecer para quem visualiza de perto, longe ou ambos os casos. As causas estão relacionadas ao formato do olho ou da córnea e também à rigidez do cristalino por idade. Para resolver esses distúrbios, recomenda-se uma avaliação completa com o oftalmologista.

“O médico irá conversar com o paciente, investigar as queixas e checar a visão em uma tabela apropriada. Na sequência, é feito o exame de refração, que consiste em avaliar os olhos com aparelhos manuais e computadorizados e encontrar o grau”, explica Samantha de Albuquerque, oftalmologista.

A seguir, destacamos os principais problemas de visão e as formas de correção:

Astigmatismo

Faz com que a imagem tenha vários focos, em eixos diferenciados. Sendo assim, as pessoas enxergam os objetos distorcidos, de forma borrada ou dupla. Está presente desde o nascimento ou surge após uma lesão ocular, doença ou cirurgia. É mais frequente em pessoas com o histórico familiar com o problema e com miopia.

Entre os sintomas, destacam-se: dificuldade para ler letras pequenas, sensibilidade à luz e piora da acuidade visual à noite. “O formato do olho é ovalado e um feixe de luz forma imagem num ponto diferente do outro. Nesse caso, podem ser usados óculos ou lentes de contato para fundir os dois feixes de luz. A cirurgia a laser nesse caso irá corrigir as irregularidades da córnea”, explica Netto.

Se o problema não for corrigido, pode causar ambliopia, que é conhecida como olho preguiçoso. Ao coçar o olho de forma brusca, a pessoa pode favorecer a evolução do astigmatismo e também causar ceratocone. 

Miopia

A pessoa vê objetos próximos com clareza, mas os distantes ficam borrados. Acontece quando o globo ocular está muito longe do poder de refração da córnea e do cristalino. Sendo assim, a luz é focalizada na frente da retina.

De acordo com a Academia Americana de Oftalmologia (AAO), em 2050, metade da população mundial terá miopia. A hereditariedade é um dos fatores de risco, mas forçar os olhos excessivamente pode contribuir para o problema. É bastante comum que o diagnóstico seja realizado na infância. Quando surge na fase adulta, pode estar associada a diabetes descontrolado ou catarata.

Os sintomas costumam ser: visão embaçada, necessidade de apertar os olhos para enxergar melhor e dores de cabeça por forçar a vista. Já as crianças podem piscar excessivamente, esfregar os olhos, apresentar estrabismo e mudar de comportamento como chegar muito perto da tevê.

“Geralmente o olho é mais longo e a imagem forma antes da retina. Nesse caso, pode ser usados óculos, lentes divergentes ou a cirurgia a laser que poderá aplanar a córnea”, afirma Marcelo Netto, oftalmologista e professor da Universidade de São Paulo (USP).

Hipermetropia

Ocorre quando os olhos são menores do que o normal, o que causa uma focalização errada da imagem. Estima-se que 65 milhões de brasileiros sofram com a hipermetropia, segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO).

Pode ser causada pela diminuição do poder refrativo do olho, devido às mudanças no formato da córnea ou cristalino. A pessoa pode ter uma boa visão de longe, mas tem dificuldade de enxergar de perto.

Os principais sintomas da hipermetropia são o desconforto para focalizar imagens próximas, cansaço excessivo e dores de cabeça. É mais frequente em crianças, porém, durante o crescimento, esse problema pode se normalizar.

“Geralmente o olho é mais curto e a imagem se forma depois da retina. Nesse caso, podem ser usados óculos ou lentes de contato convergentes ou a cirurgia a laser que poderá encurvar a córnea”, explica Netto.

Veja mais informações sobre a saúde ocular garantindo o seu livro Coleção VivaSaúde Especial - Catarata e outras doenças oculares!

 

Confira também:

3 vilões da saúde ocular

Saúde dos olhos: veja os alimentos que ajudam a reduzir riscos

 

*Por Samantha Cerquetani | Foto Coleção VivaSaúde Especial - Catarata e outras doenças oculares | Adaptação Isis Fonseca.

 

Garanta sua Revista VivaSaúde Ed. 177

Assine já e garanta 6 meses grátis de outro título

 

 

 

 

 



COMENTE!