assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Saiba mais sobre o vírus Mayaro

Publicado em 10 de Nov de 2016 por Kelly Miyazato | Comente!

Fique atento ao alerta causado por um arbovírus conhecido desde a década de 50 no Brasil, considerado uma zoonose silvestre de impossível erradicação e, saiba mais sobre o vírus Mayaro!



 

Fique por dentro e saiba mais sobre o vírus Mayaro

O arbovírus da mesma classe do vírus Chikungunya (CHIKV), da Febre Amarela, do vírus Zika e da Dengue, o vírus Mayaro (MAYV), que já é conhecido desde 1955 no Brasil, responsável por causar o primeiro surto próximo à Belém/PA, reapareceu esporadicamente nas Américas, na região Amazônica e, principalmente nos Estados do Norte e Centro-Oeste, como explica Juvencio José Duailibe Furtado - Médico Infectologista, Coordenador Científico da Sociedade Paulista de Infectologia, Professor de Infectologia da Faculdade de Medicina do ABC e Chefe do Departamento de Infectologia do Hospital Heliópolis.

Juvencio comenta: “Esse vírus foi isolado em lagartos, primatas não humanos e em aves migratórias nos Estados Unidos. Foram encontrados anticorpos em preguiças, tamanduás, tatus, alguns roedores e aves, o que permite deduzir a contaminação desses animais”.

A transmissão é semelhante a da Febre Amarela, na qual primatas não humanos atuam como hospedeiros principais, ou seja, possuem o vírus no sangue, causada após a picada de mosquitos silvestres, ou seja, de impossível erradicação. “Hospedeiro acidental, assim pode ser considerado o homem, quando invade o habitat natural dos reservatórios e vetores silvestres infectados. O que torna uma potencial ameaça à saúde pública é a possibilidade da transmissão do vírus nas cidades, através de vetores urbanos como o Aedes aegypti”, acrescenta.

 

*Por Kelly Miyazzato | Ilutração Isa Santos | Juvencio José Duailibe Furtado - Médico Infectologista, Coordenador Científico da Sociedade Paulista de Infectologia, Professor de Infectologia da Faculdade de Medicina do ABC e Chefe do Departamento de Infectologia do Hospital Heliópolis.

 

 

 

 

 



COMENTE!2