assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Saiba o que a gordura abdominal pode causar

Publicado em 27 de Feb de 2014 por Leticia Maciel | Comente!

Saiba como os terríveis "pneuzinhos" podem comprometer a sua saúde e qualidade de vida



Texto: Sílvia Dalpicollo/ Ilustração: Airon/ Adaptação: Letícia Maciel 

O tamanho da circunferência abdominal é um marcador da falta de atividade física e
má alimentação. Juntos, esses fatores perpetuam a obesidade 
Ilustração: Airon 

Aquele pneuzinho na cintura pode ser ruim para a estética, mas é pior para a saúde. Segundo o estudo conduzido pelo Lawson Health Research Institute, no Canadá, a temida gordurinha localizada produz o hormônio neuropeptídeo Y (NPY), que também é fabricado pelo cérebro e tem a missão de aumentar o apetite. Outra ação do NPY é induzir a reprodução das células adiposas, contribuindo na aceleração da obesidade. “A maior produção de NPY pode aumentar a vontade de comer. E a grande ingestão alimentar eleva o peso e o depósito de gordura nas áreas em que ela é produzida (no caso, o abdome). Essas regiões são estimuladas pela sua presença, o que aumenta a produção dos hormônios do apetite, e assim sucessivamente, fechando o ciclo”, completa o cirurgião Ricardo Abdalla.

“Vários estudos científicos comprovam que os adipócitos, em especial os localizados no abdome, não são meros depósitos de gordura. São células capazes de sintetizar inúmeros hormônios. Esse mecanismo é evidenciado pelo sistema endocanabinoide, induzido pela ingestão de gordura, que atua no cérebro como estimulador da sensação de prazer proveniente do apetite e do aumento das células gordurosas”, esclarece Luciano Giacaglia, endocrinologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Giacaglia enfatiza que “a gordura abdominal é resultado da falta de exercícios e da má alimentação. Por outro lado, os pneuzinhos são sensíveis aos efeitos benéficos da atividade aeróbica regular. Assim, exercitar-se é um fator positivo para a prevenção e até mesmo para o tratamento da doença”.

 

Revista VivaSaúde Edição 71



COMENTE!