assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Saiba tudo sobre a rinite

Publicado em 26 de Sep de 2013 por Ingrid Tanii | Comente!

Quem sofre da doença reconhece: costuma descrever o que sente como "um resfriado que nunca sara"



Texto: Carol Nogueira/ Foto: Reprodução/ Adaptação: Ingrid Tanii

Entenda o que é a rinite

Foto: Reprodução

Para muita gente, sintomas como congestão nasal, coceira, espirros e coriza poderiam indicar apenas uma gripe forte, mas não é tão simples assim. Quando recorrentes, todos esses fatores podem, sim, caracterizar a rinite alérgica.

Só que, por ter sinais similares aos de uma manifestação viral, é difícil reconhecer o problema e tratá-lo corretamente. Não é a toa que quem sofre da doença costuma descrever o que sente como “um resfriado que nunca sara”.

Como a doença acontece

-Tudo começa na respiração. Durante o processo, são inaladas substâncias, a maioria inofensiva, outras bem agressivas — os chamados antígenos (poeira, bactérias, vírus, pólen, pelos, ácaros e etc.)
-Para impedir sua entrada, existe uma barreira física formada pela mucosa e pelos movimentos ciliares, que produz cerca de 1 litro de secreção por dia, ou até 2 litros em quem tem rinite
-Quando essa barreira é vencida, entra em cena o sistema imune, com uma defesa mais complexa, que pode ter uma resposta específica ou inespecífica. A inespecífica ataca qualquer antígeno, desencadeando reação inflamatória
- Em quem tem rinite alérgica, essa defesa pode desencadear reações imunológicas exageradas, provocando coceira, espirros, coriza, além de irritar pulmões, olhos e pele

Segundo o otorrinolaringologista João Ferreira de Mello Jr., os medicamentos mais utilizados são os anti-histamínicos e corticosteroides, que melhoram a imunidade e ajudam a reduzir a sensibilidade exagerada do organismo aos alérgenos. “Embora haja muita especulação a respeito dos medicamentos à base de corticosteroides desenvolvidos para aplicação nasal, quando utilizados nas doses corretas, são extremamente seguros, considerados o ‘padrão ouro’ no tratamento”, justifica o médico.

Entre outros fármacos comumente utilizados no combate à rinite alérgica estão budesonida, propionato de fluticasona, triancinolona acetonida, fluroato de mometasona, fluroato de fluticasona e ciclesonida. Todos têm como objetivo acabar com os sintomas e devolver a qualidade de vida à pessoa, mas somente por meio de tentativas orientadas pelo médico é possível descobrir qual funciona melhor para cada indivíduo.

A dosagem também varia de acordo com a medicação escolhida. “Aparentemente, não existe um remédio melhor que o outro, embora alguns pacientes se sintam bem com uma ou outra droga. No entanto, não é possível prever essa resposta positiva com antecedência”, afirma Mello Jr. Acertar na escolha é uma das fases mais importantes, pois, como a rinite é uma doença crônica, o remédio será utilizado para o resto da vida.

Revista VivaSaúde Ed.76



COMENTE!