assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Como lidar com a perda auditiva nos idosos

Publicado em 19 de Nov de 2013 por Ingrid Tanii | Comente!

Falar pausadamente e olhando de frente para a pessoa facilita o entendimento e a escuta. Confira outras dicas



Texto: Janete Tir/ Fusão de imagens: Helton Gomes/ Adaptação: Ingrid Tanii

Estudos mostram que pelo menos 70% dos idosos têm algum grau de perda de audição

Fusão de imagens: Helton Gomes

É inevitável. Depois dos 25 anos o corpo humano começa lentamente a envelhecer. A gente nem sente como isso acontece, mas a cada dia milhares de células morrem. Algumas são repostas prontamente, outras não têm essa chance, e os órgãos vão perdendo a sua função. O ouvido é um desses órgãos. Esse envelhecimento natural do ouvido é chamado de presbiacusia, que, na maioria dos casos, começa a se manifestar aos 65 anos.

Mas essa situação pode ser antecipada em muitos anos com exposição a sons muito altos, à poluição sonora, diversos tipos de ruído em casa, como secadores de cabelos, batedeira ou liquidificador, que acelera a perda das células da cóclea, responsável por enviar o som para o nervo auditivo e daí para o cérebro. A surdez do idoso é uma doença lenta e silenciosa e as queixas só aparecem quando há perdas importantes. Muitas vezes esse distúrbio está relacionado com algumas doenças, como diabetes, hipertensão, obesidade, arteriosclerose, que podem acelerar ainda mais a perda.

Estudos mostram que pelo menos 70% dos idosos têm algum grau de perda de audição e esse percentual equivale a 10 milhões de pessoas só aqui no Brasil. Nos EUA, é considerada a segunda causa mais comum de inabilidade física. Com o constante aumento da perspectiva de vida, em pouco tempo esse número vai crescer. A hereditariedade, segundo pesquisas, também pode ser um ponto vulnerável, já que pessoas de olhos azuis têm mais tendência a apresentar perdas auditivas.

7 dicas para a família trazer mais conforto ao idoso

1 Falar pausadamente e olhando de frente para a pessoa.

2 Falar um pouco mais alto, sem gritar.

3 Caso a pessoa não compreenda bem, repetir o que foi dito empregando algumas palavras diferentes para aumentar a chance de compreensão.

4 Não falar gritando de outros aposentos da casa.

5 Incentive uma avaliação médica do problema, e, se houver indicação, o uso de aparelhos auditivos.

6 Estimule o uso de fones de ouvido para ouvir melhor a televisão e aparelhos de som.

7 Instale alarmes luminosos para a campainha da casa e do telefone.

Revista VivaSaúde Ed. 67



COMENTE!