assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Lesões oculares nos pets: o que fazer

Publicado em 20 de Mar de 2015 por Clara Ribeiro | Comente!

A região ocular dos pets é sensível e pode sofrer lesões sérias. Por isso, fique atento, veja sugestões de especialistas



Texto: Mario Marcondes / Colaborou: Letícia Ronche / Foto: Shutterstock

Plantas com espinhosou folhas serrilhadas e mesas baixas com pontas

devem ficar em locais inacessíveis aos peludos

Foto: Shutterstock

Muitos animais podem apresentar sérias lesões oculares por diferentes causas. “Os cães mais predispostos ao problema são aqueles que possuem os olhos anatomicamente saltados, como o Pug ou Lhasa Apso, uma vez que a região está mais exposta”, conta Mário Marcondes, médico veterinário e diretor clínico do Hospital Veterinário Sena Madureira (SP). Porém, independentemente da raça do animal, os tutores devem estar atentos a sintomas como lacrimejamento, olhos vermelhos, presença de hematomas ou secreção. Nesses casos, devem procurar atendimento veterinário o mais rápido possível.

Prevenção em primeiro lugar

Para manter os olhos dos mascotes protegidos, há algumas medidas a se tomar. “Plantas com espinhos ou folhas serrilhadas devem ficar em locais inacessíveis aos peludos. Além disso, é preciso analisar a disposição de objetos que possam machucá-los, como mesas baixas com pontas”, alerta Marcondes. Traumas físicos também levam a lesões nos olhos. Portanto, uma simples queda pode causar um hematoma. Por esse motivo, é necessário impedir que o mascote acesse escadas, sacadas e janelas. Outra causa das feridas são as brigas entre animais. A solução para prevenir o problema é o uso da guia em passeios.

Saiba como proceder

Ao notar alguma alteração, saiba que em casa não é possível avaliar a gravidade da situação. “Uma medida de segurança é colocar o colar protetor para evitar autotraumatismo e nunca forçar a abertura de um olho dolorido”, diz Fernando Maia, especialista em oftalmologia, do Hospital Veterinário PetCare (SP). E esse tipo de acidente não podeser negligenciado. “As consequências de um machucado no olho podem ser desastrosas e levar à cegueira, e lesões menos graves tendem a evoluir bem, caso não forem tratadas adequadamente”, lembra Maia. Na maioria dos traumas, o tratamento é feito por meio de colírios e auxílio de colar protetor para evitar que o animal coce o local.

Possíveis tratamentos

Além disso, o veterinário pode prescrever o uso de anti-inflamatórios, analgésicos e antibióticos. Em alguns casos, como quando o animal é portador de entrópio (um problema na pálpebra em que os cílios podem provocar úlcera na córnea), o tratamento é cirúrgico. Portanto, na presença de sintomas oculares, evite automedicar o pet.

A sugestão dos especialistas é apenas proteger a região dos olhos, impedindo que o animal coce. E não deixe de procurar orientação de um médico veterinário para escolha do melhor tratamento.

E os olhos secos?

Há uma doença chamada ceratoconjuntivite seca que pode ser a causa desse problema. Por isso, se esse sinal ocular persistir por mais de três dias, procure um médico veterinário de confiança. Para avaliar o quadro, ele deverá realizar um exame ocular com um teste específico e investigar o histórico do seu peludo. E se detectado o problema, ele deve indicar um tratamento à base de colírios.

Como evitar acidentes

Ainda que algumas raças tenham maior predisposição a machucar os olhos, deve-se evitar esse acidente de toda forma. “Cuidados durante os banhos evitam ferimentos. Reconhecer sinais de lesões é importante, como olhos vermelhos, com lacrimejamento excessivo ou secreção, coceira e piscando muito”, alerta Maia.

Revista VivaSaúde - Edição 143



COMENTE!